Share |

“Governo abandonou a floresta”

A campanha do Bloco passou a manhã no mercado e feira semanal de Cabeceira e Bastos

“Os sucessivos governos foram abandonando a floresta, e hoje o Estado praticamente não tem nem serviços florestais nem política florestal”, afirmou Pedro Soares em Cabeceiras de Basto, um dos concelhos do país com maior aptidão florestal e onde milhares de hectares se encontram ao abandono.

O dirigente do Bloco de Esquerda falava após uma reunião mantida com o presidente da Câmara, onde a questão o subaproveitamento da floresta foi um dos temas abordados.

O autarca confirmou a dificuldade de implementação das Zonas de Intervenção Florestal (ZIF) no seu concelho bem como os atrasos da administração central no pagamento às equipas de Sapadores Florestais, que está a fazer com que esses funcionários tenha os seus salários e atraso, “pois as entidades e associações não têm possibilidade de adiantar essas verbas”.

Para Pedro Soares a situação de Cabeceiras de Basto “é idêntica a boa parte dos concelhos do interior do país onde a falta de investimento público na agricultura e na floresta, aliada uma Política Agrícola Comum (PAC) centrada no apoio aos grandes proprietários e à agro indústria tem contribuído para uma fratura territorial com consequências devastadoras na coesão social e económica do país”.

Os efeitos desta política estão bem espelhados nos números divulgados por China Pereira: uma perda populacional de duas mil pessoas (últimos Censos) e uma taxa de desemprego de 18 por cento, superior à média nacional.

O autarca também não se mostrou muito esperançado que o próximo Quadro Comunitário de Apoio vá contribuir para alterar o cenário: “Sabemos muito pouco, sabemos que não vai haver dinheiro para infraestruturas rodoviárias, que são necessárias para a requalificação das estradas, dizem-nos apenas que vai ser dada prioridade às candidaturas supra municipais, mas falta uma estratégia de desenvolvimento para esta zona”, afirmou.

A campanha do BE passou a manhã no mercado e feira semanal, onde deu a conhecer as suas propostas, e testemunhou a grande desilusão das pessoas para com as políticas de austeridade do atual governo. Ainda assim, a apesar do desprezo de que tem sido alvo por parte do governo, salientou Pedro Soares, citando o autarca de Cabeceiras, “se não fosse a pequena agricultura as pessoas estavam a passar muito mal”.