Também em Braga se cantou o Gândola vila morena e foi exigida a demissão do governo, na manifestação promovida pelo movimento "Que se lixe a troika, queremos as nossas vidas"

A deputada Helena Pinto defende que "é necessário alargar na sociedade portuguesa o sentimento que a Nova Lei do Arrendamento Urbano só tem um destino: a revogação".

João Semedo defendeu a demissão imediata de Franquelim Alves, o ex-administrador da SLN que escondeu do Banco de Portugal as fraudes do BPN, e de Álvaro Santos Pereira, o ministro que o nomeou e diz agora que foi Franquelim que denunciou tudo o que se passou no banco da elite do PSD.

Em janeiro, o país assistiu à maior operação de propaganda do Governo e dos comentadores na imprensa em torno do "regresso aos mercados". O esquerda.net explica por que é uma fraude falar de "regresso aos mercados" e mostra quem ganha com estas operações financeiras feitas com a cobertura do Banco Central Europeu.

A deputada Helena Pinto apresenta o projeto de resolução bloquista que "recomenda ao Governo o prolongamento do horário de atendimento nas USF Physis e Novos Rumos, em Vizela", saudando os milhares de peticionários que "têm absoluta razão".

“Se na lei está tudo tão bem, porque corre tudo tão mal?”, pergunta Catarina Martins a deputada do PSD.

O deputado Luís Fazenda afirma que, na gestão do abastecimento de água, o Governo propõe uma "privatização encapotada" e quer que o Estado fique com os riscos e os privados com os lucros. O deputado alerta ainda para o aumento brutal das tarifas e defende um referendo sobre a privatização deste recurso essencial.

O Bloco de Esquerda reuniu com a ANMP - Associação Nacional de Municípios Portugueses. No final do encontro, João Semedo, coordenador do Bloco, falou à imprensa.

O governo tenta montar para dar a ideia de que "estas medidas avassaladoras e destruidoras do Estado social" são imposições do FMI quando na verdade são "a aplicação do próprio programa do governo". Isto é, "o governo tenta disfarçar como uma imposição técnica do FMI as medidas políticas às quais está muito agarrado", denuncia a eurodeputada Marisa Matias.

A deputada Helena Pinto afirma que as "confusões" sobre o cálculo da renda apoiada são dispensáveis e sublinha que "a ideia de que o atual regime de renda apoiada é injusto é consensual a todos bancadas".

A privatização da TAP e o roubo anunciado aos reformados e pensionistas para 2013 são alguns dos temas deste tempo de antena com Catarina Martins e João Semedo.

Antes, o primeiro-ministro dizia uma coisa, agora faz o seu contrário: ataca os reformados e pensionistas, provoca mais recessão em 2013 e mais cortes generalizados nos salários.

Pedro Filipe Soares sublinha a "ladainha ideológica da direita" no tema das privatizações, criticando as "verdades absolutas que afinal têm pés de barro", e lembra como, apesar de todas as privatizações, a dívida continua a crescer. 

Para Marisa Matias, o resultado das últimas reuniões dos ministros das Finanças da UE demonstra que "todas as dívidas são restruturáveis, os juros podem ser abatidos, os prazos podem ser alargados". 

"A cada Cimeira Europeia, o Governo anuncia que agora sim, já se vê uma luz ao fundo do túnel", diz Ana Drago, continuando: "Contudo, é muito possível que essa luz seja um comboio em sentido contrário a dirigir-se contra o país".

O deputado Luís Fazenda afirma que "o Governo e a direita não pararam um minuto para repensar qualquer solução para a reorganização administrativa do território", preparando-se para "aprovar a pacote" a extinção de mais de 1100 freguesias, "reformando contra as pessoas".

A deputada Francisca Almeida interveio em defesa de Passos Coelho e acusou o Bloco de não ter apresentado alternativas no Orçamento. Na resposta, Ana Drago dispensou os eufemismos parlamentares e foi direta ao assunto.

Na manhã em que decorria a sessão plenária sobre o Orçamento de Estado para 2013, agricultores e CGTP marcaram presença frente à Assembleia da República, protestando contra o orçamento aprovado nessa mesma manhã pelo governo PSD/CDS-PP.
 

BE acusa governo de querer usar fundos europeus para despedir.

No “dia nacional sem restaurantes”, esta segunda-feira, Catarina Martins participou solidariamente no protesto e desafiou PSD e CDS a reconhecerem que o aumento do IVA na restauração "foi um erro", sublinhando que se perderam 50 mil postos de trabalho num ano no setor.

João Semedo e Catarina Martins deram a primeira entrevista conjunta após a Convenção do Bloco.

Centenas de pessoas desfilaram do Largo do Calvário até Belém, gritando: “Merkel fora de Portugal”. Catarina Martins afirma que “a chanceler Merkel veio a Portugal, como quem vai ao seu protetorado, ver se o país está a ser suficientemente destruído, em nome dos interesses da finança alemã e internacional”.

Merkel visita Parlamento e é recebida com protestos - 2012/11/07 (MM & AS)