Share |

OE 2019 e o novo Hospital de Barcelos

“O Município de Barcelos, em conjunto com a Santa Casa da Misericórdia, vai lançar um concurso de ideias para a ocupação dos edifícios que vão ser deixados vagos no centro da cidade em resultado da inauguração do novo Hospital de Barcelos.”

Esta é a notícia que esperamos possa vir a ser realidade dentro de três anos, com a aprovação do início da construção do novo Hospital de Barcelos já no Orçamento de Estado para 2019.

É verdade, não podemos esperar mais. Do lançamento do concurso internacional até à conclusão da obra, talvez sejam necessários uns três anos.

Todos os constrangimentos que a atual estrutura física do Hospital de Santa Maria Maior está a impor aos utentes, aos profissionais que asseguram os cuidados de saúde e à administração do Hospital, agravam-se inelutavelmente à medida que o tempo passa.

A sua localização também já se encontra desadequada e, pelo lado urbanístico, os constrangimentos geram situações terceiro mundistas. Em dia de feira, ambulâncias e outros veículos de transporte de doentes competem pelos acessos comuns ao hospital e à feira com camionetas de hortaliça, carrinhas dos feirantes e. a multidão de clientes.

Entretanto, foram realizadas (2016) mais de 71 mil consultas externas e cerca de 6 mil e quinhentos dias de internamento, com uma taxa de ocupação de 88%, e mais de 4 mil e quinhentas intervenções cirúrgicas. A urgência atendeu quase 70 mil utentes.

A necessidade de um novo hospital tornou-se evidente e só não se compreende porque razão ainda não foi tomada a decisão de uma nova construção, nem na legislatura anterior, nem na atual. O edifício está esgotado e degrada-se, o dinheiro gasta-se em remendos e em obras que procuram contornar as situações mais gritantes, mas que não resolvem o problema de fundo.

Há sempre quem procure justificações para que não se avance com este novo hospital público. Lançou-se a atoarda de que só com garantias de financiamento europeu é que haveria hospital. É um engano, porque a política pública de saúde é da competência nacional, não depende de Bruxelas, e o seu financiamento é uma opção orçamental.

Estava agendada para a passada quarta feira a discussão na Comissão de Saúde do Projeto de Resolução apresentado pelo Bloco de Esquerda a recomendar ao Governo as medidas necessárias para o início do processo de construção do novo Hospital de Barcelos. A requerimento do CDS-PP, o debate foi adiado. Esperamos que não seja mais um episódio dos sucessivos adiamentos e atrasos. Neste processo que prejudicam os utentes e, tão a gosto dos privados que operam nesta área, o próprio Serviço Nacional de Saúde.

 

Artigo de opinião publicado no Jornal Barcelos Popular