Share |

Bloco reúne com ARS-Norte sobre processo de vacinação

Uma delegação do Bloco de Esquerda reuniu, na tarde desta quinta-feira, com a Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-Norte), para avaliar o processo de vacinação contra a Covid-19 no distrito de Braga.

O deputado do Bloco de Esquerda eleito pelo círculo de Braga, José Maria Cardoso, começou por realçar a importância do Serviço Nacional de Saúde e a capacidade dos seus profissionais para garantir a concretização deste tão importante processo de vacinação.

Em resposta às questões colocadas pelo deputado, o Presidente da ARS-Norte informou que, das 865 mil pessoas inscritas nos cinco agrupamentos de centros de saúde do distrito (ACES Guimarães/Vizela/Terras de Basto, Famalicão, Braga, Gerês/Cabreira e Barcelos/Esposende), 28% já recebeu pelo menos uma dose da vacina e 11% já tomou as duas doses. No caso das pessoas com mais de 60 anos, 81,6% já receberam pelo menos uma dose.

Os ACES começaram, esta semana, a chamar a população do grupo etário 50-59 anos e as 26 mil pessoas com mais de 60 anos que foram infetados há mais de seis meses. Em junho, começa a vacinação do grupo 40-49 anos.

Relativamente às longas filas verificadas no início da vacinação, a ARS-Norte reconhece as dificuldades do processo para a população com mais idade e dá nota que, atualmente, no mesmo período de tempo, é possível vacinar três vezes mais pessoas do que em março. Outra dificuldade registada é a compatibilização dos sistemas informáticos nacionais e locais e a utilização de aplicações de agendamento novas, ainda na versão beta.

Sobre os 45 mil docentes e não docentes ainda não vacinados nas escolas, a ARS-Norte atribui o problema, fundamentalmente, a discrepâncias entre os dados fornecidos pelo Ministério da Educação (nome, número de SNS e telemóvel) e a base de dados do Ministério da Saúde, provocadas por lapsos na elaboração manual das listas. Estas situações serão resolvidas nas próximas semanas.

Na reunião foi possível ainda abordar a retoma da atividade programada. A ARS-Norte refere que, progressivamente, a atividade está a normalizar, dando como exemplo os rastreios oncológicos que já apresentam valores iguais aos de 2019. Foi ainda salientado a criação de incentivos à atividade extra, para compensar os adiamentos verificados nos últimos tempos.